Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A vida é bonita.

A vida é bonita. É bonita, mesmo quando não a conseguimos ver assim.

A vida é bonita.

A vida é bonita. É bonita, mesmo quando não a conseguimos ver assim.

Sinceridade

A minha essência é a verdade, eu sou aquilo que vês.

Se gosto tu sabes que gosto, se não gosto tu sabes que não gosto, se faço tu sabes que faço, se não faço tu também o sabes.

 

Quem convive comigo no dia-a-dia Vê-me, mas nem sempre acredita que está a ver o real, porque ninguém é assim.

Simultaneamente sou muito reservada o que parece uma contradição, mas não é.

 

Tenho tido dificuldade em escrever aqui, porque me apetece dizer tudo o que sinto sem elaborações.

Há momentos de impulsividade em que digo: vou escrever e quero lá saber! Mas há algo a travar-me:

- Espera lá! Acalma-te!. Os "teus tesouros" são teus e isto é um blog público.

 

Gostaria de escrever sem me expôr muito, mas nesta altura é algo que não me entusiasma. Apetece-me uma escrita tão rápida quanto os meus dedos conseguirem acompanhar o meu sentir e o meu pensar. Quero escrever o momento e se não tenho um caderno ou o computador por perto então esse momento escrito perdeu-se. Mais tarde, o pensamento já é outro o sentimento é outro logo não tenho vontade de relatar algo que já foi, que já não é.

 

Enfim! Isto deve passar... talvez passe. Tem de passar. 

 

chiiiu!... quero ouvir o silêncio.

Quase não acredito que a vida me deu este presente, proporcionou-me aquilo que eu precisava sentir. Sim, desta vez aconteceu comigo! Estou muito grata. Obrigada! Muito Obrigada!

 

Estive na terra do chocolate, do queijo e dos relógios e vi, melhor dizendo, senti neve pela primeira vez, um verdadeiro sonho! Senti-me no paraíso e o mais impressionante foi sentir que eu também pertencia ali. Aquele lugar também poderia ser o meu lar.

 

Fui muito bem recebida e tratada com muito carinho e amizade. Logo no primeiro dia, a natureza foi generosa e permitiu-me ver nevar enquanto tomava o pequeno-almoço, puxou-me várias vezes até à janela que eu abria com um entusiamo infantil e através da qual esticava os braços de mãos abertas e repetia: "Eu tenho muita sorte!.. Obrigada!.. Eu tenho muita sorte!" . Sabia que nas últimas semanas não tinha nevado por ali.

 

Fiquei instalada numa vila onde o Silêncio é rei e Serenidade é a rainha, ninguém tem pressa, todos falam baixinho  cumprimentando sempre quem passa: "Bonjour!"... Usam roupa e calçado muito confortáveis e as senhoras optam pelo cabelo curto por ser mais prático.

 

Nos prédios os patamares dos andares são decorados com pequenos roupeiros, cómodas ou sapateiras, nada está protegido por fechos ou cadeados, porque ninguém mexe no que não lhe pertence. Em casa só se entra descalço, é válido tanto para os habitantes como para as visitas, o calçado fica sempre no patamar do andar.

 

Comi muito chocolate e refeições típicas de queijo, caminhei  pelos campos e junto ao lago tendo corvos como companhia habitual.

 

Fui aos Pré-Alpes e os meus olhos encheram-se de lágrimas de emoção perante tanta beleza. Ver-me rodeada por neve para onde quer que me virasse, ver as árvores brancas da neve, as montanhas, caminhar sobre a neve, tocar, sentir, mexer em neve... algo indescritível... Vivi um longo momento de alegria plena. Senti-me encantada, maravilhada!

  

Perdi o comboio da Vila por duas vezes e perdi em simultâneo a oportunidade de visitar uma fábrica de chocolates e visitar o Museu dos Relógios. Isto quererá dizer alguma coisa? Quer dizer que aquela terra quer que eu volte lá, porque se eu senti que pertencia àquele lugar, aquele lugar quer o que lhe pertence.

 

 

A típica Portuguesa que deixa tudo para o último dia e depois só tem de ser desenrascada

Novembro vai viajar, gozará 11 dias de férias na Suiça. Dois dias antes ligam-lhe a perguntar:

- Então já fizeste a mala? Já tens tudo pronto?

- 👀😮😂😂 Ainda não preparei nada!!!🙄

 

Ponto da situação:

Novembro, viaja regularmente? Não 

está habituada a fazer a mala? Não 

não tem limite de bagagem?  Tem sim. Só pode levar 1 mala de mão (bagagem de cabine). 

já conhece bem a mala que vai levar? Não, emprestaram-lhe a mala no dia anterior.

 

No próprio dia da viagem, apenas uma hora antes de sair de casa Novembro vai dar início à sua tarefa, fazer a mala.

 

Ok, vamos lá  tratar do assunto, não  vou stressar vou começar por pôr em cima da cama tudo aquilo que vou precisar, empilhando por categorias (camisolas, roupa interior, etc.).

E se não couber tudo dentro da mala? 🤔🤤 Fácil, vou eliminando peças. 😓Calma... calma vais conseguir, além do mais em situações extremas o ser humano sobrevive com muito pouco. Que se lixe, é tudo supérfluo.

 

15 minutos antes de sair de casa a mala está pronta.

Boa! CONSEGUI! 😃😊

 

Chego ao aeroporto, com o objectivo de ser das primeiras na fila da porta de embarque, sim não vão dizer-me que já não há  mais espaço  para a bagagem de cabine e que a minha mala tem de ir para o porão.

 

Olho para o placar com a indicação das portas de embarque, a minha é a 201.

Espero sentada até anunciarem  abertura da porta, e dirijo-me à mesma. Sou a primeira. Continuo a ser a primeira e única durante algum tempo, depois começam a chegar os passageiros prioritários. 

Penso, sou mesmo "bimba" 😐 está toda a gente sentada enquanto os assistentes não iniciam o atendimento e eu aqui a fazer figurinha. Agora também não vou dar parte de fraca e voltar a sentar-me.🙄 E eis que oiço a informação de abertura da porta para o voo com destino ao Luxemburgo  e.... ELES DISSERAM PORTA 201???🤔 Não.  Percebi mal.

Entretanto inicia-se a formação de fila atrás de mim.

Tenho um comportamento obsessivo, só para confirmar o que já  sei. Estupidez! 

Eu - Esta é a porta de embarque do voo com destino a Zurique, certo?

Assitente - Não.  É a porta 207, está a ver ao fundo a fila maior, é essa.

Eu - 😲😲😲🤤🤤🤤

 

Muito bem Novembro agora és a última da fila.😯😯☹😐

Lá diz o ditado, neste caso ao contrário, "Os primeiros por vezes são os últimos ".😶😝

Mais um pouco e ficava em terra.😭😭 Ainda não estou convencida do meu engano... alguém me quis tramar👻👀 isto foi trabalho de bruxaria👻🎃👀😂😂😂

Ah apesar de estar no fim da fila a mala veio na cabine comigo.

 

Já  estou na 🇨🇭 😍😀⛄

 

Precisa-se de guarda-roupa só para alguns dias do mês...

De um dia para o outro, sinto que a roupa vira espartilho. As pernas e a barriga lutam com as calças, como se quisessem rebentar as costuras.  Enquanto eu começo a odiar o soutien os pés suplicam por chinelos.

 

De repente a gula toma conta de mim, a paciência vai passear e tudo culmina com uma súplica urgente do meu corpo e mente por repouso. Passo o dia a desejar o conforto da minha caminha para me estender sobre ela, e ficar sossegadinha a minimizar o desconforto.

 

Já sei que,...

uns dias depois, como se algo mágico acontecesse, e acontece, acordo e o meu corpo regressou a seu estado normal, a vontade de devorar chocolate desapareceu, a roupa deixou de apertar e há uma serenidade a habitar o meu ser que me deixa feliz.

 

Mesmo assim, como adoro ser mulher.

 

Agora não é possível  menosprezar a compra de umas pecinhas de roupa, um tamanho acima do habitual, apropriadas a esta metamorfose. 

 

2018 - O que tens para mim?

Entrei em 2018 muito calmamente, sem fogo de artifício, sem festa, simplesmente expectante. Com o receio de quem tem tido anos difíceis, mas sempre com um pouco de esperança de que este seja um ano calmo, o ano que me permita encontrar paz, o meu bem- estar.

 

Paz, Saúde e muito Amor para todos nós, são os meus desejos neste Novo Ano.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D