Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A vida é bonita.

A vida é bonita. É bonita, mesmo quando não a conseguimos ver assim.

A vida é bonita.

A vida é bonita. É bonita, mesmo quando não a conseguimos ver assim.

Uma ajuda que vem do Céu

Do meu Natal para vocês:

 

A minha mãe tinha um excelente dom para a cozinha, não posso enumerar quais os seus melhores cozinhados, porque tudo o que fazia era delicioso. Todos os que provavam a sua comida assim o repetiam, está delicioso!

Para mim e para os meus irmãos havia um doce sempre muito aguardado, o arroz doce.  O seu Arroz Doce.

O seu arroz doce era feito num grande tacho, para poder dar um pratinho a este, àquele e ainda ao outro. Ela sempre gostou de partilhar.

  

Eu tenho uma colega de trabalho muito gulosa, então um dia pedi à minha mãe uma tacinha de arroz doce para lhe levar. A minha colega adorou! E desde logo quis a receita.

Com a sua letra cuidada, a minha mãe escreveu a sua receita de Arroz Doce  para eu lhe entregar.

A minha colega tentou fazer a receita várias vezes mas acabou por desistir, dizia que não ficava igual ao da minha mãe, então preferia optar por receitas mais rápidas.

  

Passados poucos anos perdi a minhã mãe. 

Por preguiça e por achar que tinha sempre tempo para aprender, perdi a possibilidade de aprender todas as suas receitas e ensinamentos...  

 

Eu nunca fui muito dada à culinária. Uma tontice, pois quando me proponho a cozinhar até que não me saio mal. Embora já tenha tido alguns desastres na cozinha. 

  

No primeiro Natal sem a minha mãe, lembrei-me que a minha colega tinha a receita do arroz doce, pedi-lhe que tirasse uma cópia para mim. Ela foi muito gentil, tirou uma cópia para ela e deu-me o original. Foi com muita emoção e lágrimas nos olhos que li cada palavra, que vivi cada letra escrita a caneta azul.

 

Há 2 anos, o primeiro Natal ....., com muito receio e com a certeza de que não conseguiria fazer um arroz doce como o da minha mãe, peguei na receita com muito carinho e saudade.  Fui buscar o tacho e fui seguindo os passos descritos na receita. Tive algumas dúvidas, puxei pelas memórias que tenho de ver a minha mãe cozinhar e dizia para mim: acho que era assim que ela fazia...

No final não provei. Não tive coragem. Peguei na travessa e levei para a nossa Noite de Natal.

 

Estamos sempre juntos, mas no Natal mais próximos ainda, é a magia da Época.

Os meus irmãos provaram o arroz doce e, incrédulos com olhos a sorrir diziam está igual ao da mãe!

Eu achei que estavam a querer ser queridos comigo, por isso peguei na colher e provei... Meus Deus! Está igual ao da mãe!

 

Acredito que tenho uma ajuda que vem do Céu, a minha mãe guia as minhas mãos.

Este é o 3º Natal, e a 3ª vez  que vou fazer O Arroz Doce da minha mãe. Minha querida e adorada mãe sei que estarás a meu lado a guiar as minhas mãos,  e eu espero conseguir fazer tudo bem!

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D